abscissa



o que me toca é a distância
e esse olhar mudo de retrato,
esse muro branco de dentes
de um sorriso concreto
flagrado como se fosse
um crime...


e esse gesto despojado de chaves
e de noites, sem eclipses
e sem apêndices, me redime
das palavras trancadas
nesse cofre surdo
com o segredo para novas cores
em um arco-íris exânime
e os mapas que me prometeram
levar para longe...


o que me toca é ponto equidistante
do que sou e do que sonho.



29 comentários:

Hercília Fernandes disse...

E o que me toca, Pavitra... é a força de suas palavras, sempre aquecidas em alta e vibrante temperatura.

Mais um lindo poema, parabéns!

Ah... tem um "mimo" para você no HF diante do espelho, espero que goste.

Beijos,

H.F.

Moacy Cirne disse...

O que a toca faz pensar?
O que fazer diante de um gesto
concreto: sorriso alvorecer?
E o teu sonho:
alegrias e distâncias?
Um poema se faz:
qual o segredo de suas novas cores?

Beijos.

fred disse...

Belíssimo poema, Pav.
Parabéns!
Beijos

Múcio L Góes disse...

rsrs...

um dia ainda faço um soneto, para que caiba dentro um arco-iris em brancoepreto.

senti Pessoa no final.

=]

:*

Flávia Muniz disse...

belos poemas, adriana!
gostei do imã-ferro no sangue dom comentário que fez! Você é do Rio!
Agora que vi! Eu também!

Maykson disse...

Pav., diga-me... Já está com livro saindo? PelamordeZeus! Eu careço de um volume seu! Já faz um tempo que sou embebido pelos seus poemas - pela sua espontaneidade poética e sua habilidade para lidar com qualquer tema que o seja.

Lindíssimo poema, querida. Um tom cuidado de imagens e sons!

p.s.: já vi que tirou o trema de 'eqüidistante'... ai que dor! rs Esse acordo tá um negócio na minha cabeça!

Bee-a disse...

que poema lindíssimo... o final é algo que só os poetas sabem fazer: tornar ainda mais belo, vivo e intenso o que se passa por dentro.

bom te ler novamente, pavitra!
um beijo

Marcelo Novaes disse...

Adrianna,

(Re)alçada
como halo de
luz, sutil-visceral
/visceral-sutil:
seiva sublimada.



Novos sonhos.
Novos mapas.




Beijos,






Marcelo.

adrianna coelho disse...


flávia, é por isso que esse rio ferve!! :)

BAR DO BARDO disse...

essa conjunção pretendida resultará em algo para além da geometria... fulgor?

texto bem ambíguo. para geminianos bilíngues.

- henrique pimenta

Miguel Barroso disse...

minha querida, tu é que me tocas!


excelente!

Abraços d´ASSIMETRIA DO PERFEITO

adrianna coelho disse...


henrique,

vc por acaso é geminiano? rsrs

beijos

Sergio disse...

Eis o que me toca: você, que seja por um segundo, me escrevendo (que é mais que dizer): "por vc eu vou, acho... rs". Tudo bem que teve o "acho", mas o "por você eu vou", cá entre nós dois, é muito mais incisivo.

Como sabes que não gosto de forçar barra, inda mais nesses assuntos, te aguardo.

Em tempo: do jeito que escreve com sangue, acabas ficando anêmica.
Beijo, Adriana.

Jo Bittencourt disse...

o q diz o instante de longe
q tudo é de ontem
pra ontem
q antes
q ainda
distante
melhor


menina adrianna, beijo, viu?!

Fernanda Cozendey disse...

muito bom; mesmo.

aqui é bom ;}

beijos

Georgio Rios disse...

Ser e sonhar, duas virtudes que esta poetisa me emrpesta quando leio seus versos...

SANDRO ORNELLAS disse...

Olá, Adrianna. O Georgio aí acima é um amigo valioso que fiz. Já seus poemas me apareceram como vegetais e minerais, mais do que animais, cheios de águas, gotas, regatos, mares, plantas, flores, chãos por vários versos. Tá certo, há bichos, mas dos bem pequenos. Tudo muito bonito e leve.

» Nøélya « disse...

Volteiiiiii!!!
E como MEME para você lá... Dê uma sapeada por lá para veirificar...

Bjinhuxxx!!!

» Nøélya « disse...

Volteiiiiii!!!
E como MEME para você lá... Dê uma sapeada por lá para veirificar...

Bjinhuxxx!!!

Alex Pinheiro disse...

O que me toca?!
Nem parei minuto pra responder isso inda, rs
Mas gostei leitura dentro de um cofre surdo,,,
Bah! Brincquei as palavras e ficou uma merda! hahaha
É que poesia é um troço difícil viw! hahah

Bjs e norteadas invenções!

manzas disse...

Estar aqui presente
Com estas palavras
Luzentes brilhantes…
É como flutuar
Em águas calmas
E no fundo ver diamantes

Um bom fim-de-semana
Inundado de paz…

O eterno abraço…

Maria Clara Pimenta disse...

A sua poesia é linda, Adriana. Parabéns!

Já vinha visitando o seu espaço, mas estava sem tempo de entrar no blogger. Li o artigo e gostei muito de seus poemas.

Obrigada por visitar o meu cantinho, também estarei acompanhando o seu.

Abraços,

Maria clara.

Ígor Andrade disse...

O que me toca são suas linhas de sonhos meus!
Abração, Adrianna!

Nirton Venancio disse...

"o que me toca é ponto equidistante
do que sou e do que sonho", o poema é todo poema, mas esse verso é demais, Adrianna!

Ston disse...

"o que me toca é ponto equidistante

do que sou e do que sonho". EXCELENTE!!!! Beijo!

Rodrigo M. Freire disse...

Nem todo toque é bom como este
Inveja!
Às vezes:
A vida pousa mosca

Cosmunicando disse...

dri, já foi tudo comentado... imagina se eu vou me atrever, isso tá simplesmente lindo, e ponto!
beijos

Bufo disse...

(rendo-me ao que leio)

adrianna coelho disse...


obrigada, sandro.

por indicação tbm do georgio cheguei ao Simulador de vôo e gostei muito.

beijos

Postar um comentário