nimbo



na minha terra
encharcada


há resquícios de chuva
nas fendas, pétalas
e corolas


até quando as gotas
cairão das folhas
e as pedras ficarão
úmidas?


quando é que a palavra
estia?






* Publicado no Balaio Porreta 1986 nº 2547

21 comentários:

Moacy Cirne disse...

Até quando, Menina, até quando leremos suas belas poesias? Espero que possamos fazê-lo por muitos e muitos e muitos anos ainda. A verdade é que o cheiro da terra encharcada pela chuva, neste poema em particular, me é muito caro: faz-me lembrar o cheiro da terra molhada após as primeiras chuvas de inverno - quando as palavras não estiam, quando as palavras não esfriam.

Um beijo.

BAR DO BARDO disse...

a palavra nunca estia, nem mesmo se for metáfora por uma pedra cabralina, digna de secura, no sertão do seridó ou em catolé do rocha. a palavra nunca estia por se tratar do verbo divino, ainda que em estado de mudez. a palavra não há de estiar nunca, porque existem poetas como você, né, dri?

Cesar disse...

lindo seus poemas. Lindos

Georgio Rios disse...

Simplismente,ler o que esvcreves é estar em contato com o que há de bom na poesia...

Lualves disse...

Bom dia, boa tarde, boa noite. Passei para deixar o meu cumprimento poético e dizer que a poesia nao pode parar nunca... As vezes, como no sertao, a gente se sente arido, tórrido... mas...ainda que demora...a chuva sempre vem....

Fala comigo

Lualves

Hercília Fernandes disse...

No caso específico de sua poesia, Pavitra, desejo que as palavras nunca possam estiar. Sua poesia aquece os nossos espíritos com chuva de sentimentos inVersos.

Belo poetíssima!

Beijos,

H.F.

adrianna coelho disse...


Moacy, eu tbm pretendo escrever por muito tempo e que pelo menos algumas coisas sejam poesias, já me contento... Gostei de saber que lhe causei tais lembranças... :)

beijos

adrianna coelho disse...


henrique, seu comentário já é poesia!
e esse elogio aí... fiquei toda boba! :)

obrigada.
beijos

adrianna coelho disse...


seja bem vindo, cesar!

já andei pelas suas palavras e vou voltar.

obrigada!

adrianna coelho disse...


georgio, estou em falta com vc, e mais comigo, acredite, por não ter tido tempo para acompanhar os seus poemas.
tenho a mesma ideia, impressão e sensação ao ler vc, poeta.

beijos

adrianna coelho disse...


lualves! quanto tempo, moço!

a poesia não vai parar, não, querido... molhada ou esturricada - ela persiste.

senti saudade, viu? vou falar com vc, sim!

beijos, meu amigo

adrianna coelho disse...


Hercília, tenho grande apreço por suas leituras (acertadíssimas) e seu olhar sobre o que escrevo.

Fico muito agradecida por sua presença, viu?

Aproveito para fazer um pedido de desculpas a vc e a quem ler essa mensagem: estou um pouco atrapalhada e por isso não tenho visitado, lido e comentado todos, como costumo fazer, mas voltarei em breve.

beijos!

menta disse...

revelou-se, adorei!

beijo

adrianna coelho disse...


rsrsrsrs

obrigada, pat!!

beijos

adrianna coelho disse...


pat, seu comentário era um mistério para mim - é que sou desligada...


revelei-me! ahahahaha
a foto!

pois é... essa sou eu!

beijos

adrianna coelho disse...


era isso, né?

ai, que furo se não for... ahahaha

Jo Bittencourt disse...

Adriana q vela e revela, sem estio, aqui onde palavra é vertente.


bom demais!



beijoca

Henrique disse...

estia é uma palvra muito bonita, vou prolongála o quanto puder!

Adriana disse...

A palavra ferve quando está no ventre, a palavra que vai nascer.Ela estia quando está para ser (des)coberta.

J.F. de Souza disse...

a chuva
cessa
quando os céus
ordenam

Nirton Venancio disse...

Adrianna, estou encharcado com sua poesia. Reli os poemas, e a chuva continua.
Parabéns pelo domínio na escrita poética. Você consegue isso principalmente nos textos curtos, que têm um volume enorme de imagens, de sentimentos.

Postar um comentário