aquosa



não sei de onde vêm as palavras
talvez do nada sob a pedra
em que brota a água


hoje uma palavra
inundou meus olhos





* Publicado no Balaio Porreta 1986 nº 2502 e
no blog Novidades & Velharias

26 comentários:

Moacy Cirne disse...

Maravilha, simplesmente. Palavras que brotam de seu "fazer poético". Em tempo: sou meio cru na internet. 'Seguidor' é, por exemplo, no seu caso, 'Na trilha da poesia'? Um beijo.

» Nøélya « disse...

Adoro suas palavras...
são sempre muito lindas!!
Ah! Prova disso, tem presentinho novo lá no meu cantinho...
Dê uma passadinha lá para pegar o seu!!!

Beijinhus... até +

J.R. Lima disse...

palavras líquidas são um perigo!
represadas, enchem tudo, depois
inundam e correm para o mar.

CotidiAmo disse...

Pav menina!
É de inundar a alma tua sensiblidade!
beijos

Adair Carvalhais Júnior disse...

Seus poemas continuam muito bons.
Gosto de vir aqui.

Nirton Venancio disse...

pequenos grandes poemas como esse inundam os olhos...

Alex Pinheiro disse...

Chora não! rs

...

Entons, que fico admirando a reação dos escritos em quem os lê,,, e também sorri ao ler satanás músico, rs

Bjs e metafóricas invenções!

Ígor Andrade disse...

Lágrimas, aqui...
Abraço!

homoluddens disse...

eu gostei.
abraços.

Sergio disse...

Pavitra, sob a pedra em que brota a água tem um planeta.

Rodrigo M. Freire disse...

a filologia tenta saber.
poesia muito boa!

Mariana disse...

pav, seu poema é uma nascente aqui em meus olhos.

Bufo disse...

E inumdou tua boca, e tua pele e tua alma...

que inundou-nos a todos aqui.

.............
bjos minha amiga

VANYA disse...

suas palavras inundam minha alma.
adoro vc menina
bjimmm

Cosmunicando disse...

pois é, pois é... é isso =)
precisa do meu comentário? rs
agora é fluir com as águas.

Lou disse...

Que belezura! Pois é... palavras inundam espaços vazios. Quanto ao nome "trocado", não se preocupe... nomes são rótulos. O que vale mesmo é o carinho. :) Bjão

J.F. de Souza disse...

sem palavras...

Jo Bittencourt disse...

inquietude, moça, inquietude. anseio esse nada sob a pedra...


luxo de poema!


beijocas

Thiago Quintella disse...

Talvez elas venham da necessidade de sentir. Ou sentimos para que exista uma palavra ao menos

Mary disse...

essas são as melhores... refrescam a alma!

tudo lindo aqui! já sou fã! ;)

beijoss

Mulher na Janela disse...

essa palavra me lavou por dentro.

linda.

beijos...

Iara

Ston disse...

Pav, tem palavra que é tsunami.

Paulo de Carvalho disse...

Boa noite, Pav.

No momento, apenas para agradecer por tua participação no projeto À Luz da leitura.
A entrega dos cd's foi ontem, 13/12, aos Ex Alunos do Benjamin Constant.

Este poema foi falado por Andreia...

Obrigado por tudo.

Beijos,
Pailo de Carvalho

Hercília Fernandes disse...

"... hoje uma palavra inundou meus olhos".

Lindíssimo! Que as palavras venham sempre se aninhar em seu olhar.

Abraço,

Hercília F.

BAR DO BARDO disse...

diálogo com o tonto manoel de barros

Sílvia Câmara disse...

è lindo quando uma palavra inunda...
bjo grande

Postar um comentário