quase um tango



que coisa mais latina
me chegar assim com tangos
com esse orange walking
com pratas e besos roubados
e com esse ar borgeano


que coisa mais ladina
esse teu olhar bajamar
que saca la paz dos meus dias
y me quita la noche y el sueño
quando me ofereces coca
e bebes um vinho chileno


que coisa mais romântica
quando me atacas na cama
antes fria e deserta
e me declamas um pablo
só para ter-me caliente


[sale un aroma de jazmín mojado
por el sudor, un ácido relente]


y yo pronuncio tu nombre
entre embargos y cochabamba
si no eres fidel yo te castro
encuanto enciendes um charuto
de havana







na voz de
Mercedes Lorenzo

22 comentários:

Cosmunicando disse...

dri, esse é um dos teus poemas que gosto mais... pela sonoridade, pela latinidade, pelas referências que ele traz, pelo molejo todo próprio com que as palavras vão se sucedendo...
fora o carinho especial que tenho, por ter tido o privilégio de gravar a leitura =)
é um daqueles casos de "apropriação indébita perdoável" rsrs... assim como só consigo ouvir o Shlept na tua voz, o Latino virou um pouco meu filhote!

beijão

Adrianna Coelho disse...


mê,

esse poema é seu! eu não ousaria a colocar minha voz nele... rsrsr

esse "bajamar" ficou a coisa mais deliciosa de se ouvir...

adorei a sua leitura, viu.

beijos

BAR DO BARDO disse...

pav & pad, que duplinha mais caipora lá da ciganagem ibérica!!!

boa execução. execução mesmo!!!

Alexandre Gouveia disse...

Tem uma musicalidade fantástica, lindo mesmo! parabéns

Alexandre Gouveia disse...

Oi Adriana, na verdade estou tentando criar um blog sobre aviação, que é minha área profissional e terminei postando na Toca sem querer, o outro blog é http://checkoutproject.blogspot.com/ ainda é um projeto experimental. obrigado pela atenção. e um excelente carnaval!!!

nina rizzi disse...

lindo, lindo. eu lia e balançava o corpo. leste oeste. que delícia. e depois ouvir. norte sul. delícia :)

e brigadim pela referência: coisa mais latina :)

Elza Fraga disse...

Ma-ra-vi-lho-so!
Meu aplauso de pé procê e pra Mercedes.
É um tango, com certeza, rsrs.
Só que não cantado, ainda!
Escutei várias vezes, deliciosamente bom de se ouvir.
Bitokitas iluminadas deste rítmo,
latinamente caliente.

Moacy Cirne disse...

Duplamente ótimo: cançãopoema capaz de recriar o sonho das impossibilidades sonoras. Duplamente sensual: poema que se faz poema na voz caliente da amigapoeta. Um beijo para as duas. Nas bochechas.

Mme. S. disse...

gosto do ritmo, das referências, gosto de como o eu lírico está solto e leve. muito bacana mesmo!

Sabrina disse...

relindo ! me encantó, si pudeiras decir por el significado português del encanto: uma reação do ser humano, criada em função de um estímulo externo qualquer, que provoca a sensação de interesse intenso, colocando aquele que estiver sobre esse efeito uma espécie de êxtase de embevecimento relacionado ao que é bom, agradável ou maravilhoso.

Jo Bittencourt disse...

notável a combinação, amei!



:*

Adriana disse...

ah, que lindo esse poema multicultural...me deu vontade de publicar no me language glasses...adorei os trocadilhos!!!

Mirse disse...

Lindo, Adriana! Amor e música num lirismo frenético-latino.

Impressionante a beleza do poema!

Beijos

mirze

Lou disse...

Belíssimo! A-do-rei!!!

Parabéns Pav e Pad!

Bjkas

líria porto disse...

isso é que posso chamar de felicíssimo encontro! parabéns às duas!
besos

fernando disse...

pavitra e suas milongas
que lembra as curtas tardes
em que rodrigávamos
palavras e gardéis
nos salões gráficos do rubens
e sua regência afinava
com as mãos leves da prosa da mercedes

tudo se faz e desfaz
como em um tango
e
como diz o rubens
o pronto não é o fim!


gosto muito desse poema
a voz da mercedes é o próprio poema!

WELLINGTON GUIMARÃES disse...

"y yo pronuncio tu nombre
entre embargos y cochabamba
si no eres fidel yo te castro
encuanto enciendes um charuto

de havana"

QUE É ISSO POETA, QUE VIOLÊNCIA!
POEMAÇO.
ADOREI.

Elaine Pauvolid disse...

Delícia ver o link de Aliás aqui!!!
beijos
elaine

Ramon Alcântara disse...

Bueno, muy bueno. Kahlo tranca me e Pablo solta no passo de Gardel tropego em um Concha y Toro! Viva Zapata, Viva Ernesto, Viva Zumbi!

Muy muy muy muy muy muy muy muy muy muy muy muy muy muy muy muy muy muy muy muy muy muy muy muy... aff... muy bueno!

Ramon Alcântara disse...

Como podemos ouvir?

blog espiatório disse...

apois! estás lá no blog!

http://olharagudo.blogspot.com/

Bruna Mitrano disse...

O que é essa última estrofe?!!
Perfeito! Bom de ler, bom de ouvir. E ler já é ouvir, bailar; tão musical.
Dá até pra ver o amante latino, trajando roupas vermelhas, entrar aqui no meu quarto, enquanto ouço a Mercedes.

Postar um comentário