bichos flores e libido



tenho a fauna
e a flora
em minhas palavras
e uma expectativa vegetal
de brisas e orvalhos
e sons de asas


línguas
coisas escorregadias
e úmidas
limos e lagartos
absortos ao sol


e num poema
desejos desfolhados
e agudos apetites
unhas-de-gato
sobem agarrados
às minhas pernas


[e eu já hera]






* Publicado no Blog de 7 Cabeças

23 comentários:

Cosmunicando disse...

hera uma vez...
er(r)am duas...
vegetrês


:-)))

(essa imagem das unhas-de-gato agarradas às pernas é o máximo rsrs)

Mariana disse...

(...) de um jeito ou de outro eu quero ficar pra semente... ahahah

homoluddens disse...

concordo! bela imagem essa dos gatos...
gosto dos lagartos também.
e o último verso é bem bom.

Beatrice Jasmin Noire disse...

A palavra habita tua medula.
Pende dos teus olhos.
Sobe pelas pernas.

Já (h)era. Linko.

Lou disse...

Uau! Muito bom! E a últma estrofe passa uma imagem indelével. Bjs

Jo Bittencourt disse...

:
fauna e flora
brisas e orvalhos
apetites e desejos


uau, quanta potência, é de dar ânimo!


:^D

beijoca

Ígor Andrade disse...

Tem tudo, e mais, nas tuas palavras.
Abraço!

Nirton Venancio disse...

você hera sempre com tão belo poema de desejos desfolhados, Pav.

oscar kellner netto disse...

VC DOMINA COMO NINGUÉM AS PALAVRAS, MENINA... ALIÁS, SABE CAVALGÁ-LAS...
VC ARRASA NESTE POEMA, IMAGENS VEGETAIS A QUE REPORTO VERDES DESEJOS E CLOROFÍLICOS TESÕES.
O FINAL É GENIAL.
ABRAÇOS,
OSCAR

Moacy Cirne disse...

Um poema que se revela fauna, flora e felicidade em sua expectativa vegetal (mas também mineral, mas também animal), com um toque derradeiro que é pura sensualidade. Melhor: todo o poema, num crescendo textual, é pura sensualidade, em sendo úmido, em sendo neblinante. Um beijo.

líria porto disse...

é amor correspondido!
besos

Georgio Rios disse...

É exepcional bailar por este emaranhado poético que compões...Bom mesmo!!!!

VANYA disse...

Sempre viajo em suas palavras menina!!!

menta disse...

obrigada pelo elogio, pav!

poema verde
flor de cheiro
do mais puro ar

bjs

romério rômulo disse...

pavitra:
fiz uma caminhada mais longa.você
é fera.
romério

Henrique disse...

ahuahuahuaua

me desconcentrei aqui:

...línguas
...coisas escorregadias
...e úmidas

ai o final do poema virou só paravras escritas... que pena, mas a culpa foi sua!

tecatatau disse...

muito bom, agradeço a visita em meu blog e te visitarei sempre.

Aroeira disse...

clap clap clap. eu já hera é ótimo.

CotidiAmo disse...

Putz!!! Que lindo, que lindo! amei.
beijos

Carito disse...

o poema aflora e sobe de um jeito... fogo-horto! no final a presa é surpresa, nos toma no ar salto da gata! um poema para ser li(bi)do com unhas e dentes, e ervas danadas!

Sergio disse...

Eu não sei quanto a fauna, já hera é vegetal indomável, cresce até e principalmente sem pedir permissão. Pavitra, tu é A cara!

Monica Araujo disse...

Peço licença, lindo o que vi por aqui, cheguei fuçando o blog do Moacy Cirne e estou adorando.

Um grande abraço.

Marcelo Novaes disse...

Belo poema de gavinhas e trepadeiras.
Sonoro, reverberativo como orvalhos em brisas embalando asas umedecidas...



Muito bom!



Beijão,





Marcelo.

Postar um comentário