enchente



suo a densidade
dos meus dias
num poema caudaloso
que transborda aqui dentro
e me inunda de vozes
e de silêncios






* Publicado no Balaio Porreta 1986 nº 2452

2 comentários:

Cosmunicando disse...

cara... suar a densidade dos dias é tudo o que preciso, seu poema transborda para dentro.
Lindo Pav!
beijos

Mariana disse...

inunda!

Postar um comentário