versos horizontais



copacabana está fria
e o horizonte distante
sobre a minha cabeça
nuvens, gaivotas e versos
faço poemas loucos
um por cima do outro
como se fizesse sexo
na areia molhada da praia
desejando acender
tua fogueira de palavras
para nossa poesia-luau



5 comentários:

Rita disse...

menina da sensibilidade da pele do amor do sensual do fundo das entranhas do romance

Rodrigo M. Freire disse...

Ainda que te sugiras o máximo maravilhosa em minha previsão imaginada e já acostumada a tentar prever-te inultimente, tua realidade me encanta mais cada vez que apareço aqui! Mas de ficar aqui hipnotizado já não há faculdade ou universitário (que sou) e toda a dureza chata da vida e das ruas para me servirem de contraste com teus encantos, para ansiar novamente por eles. Beijos empoeirados!

Átila Siqueira. disse...

Oi Pavitra, que poema mais lindo.

As vezes também faço poemas loucos, um por cima do outro. As vezes é como se eu tivesse uma frebre de poesia, que não me deixa parar de escrever por nem um instante.

Adoro seus poemas.

Um grande abraço,
Átila Siqueira.

Lualves disse...

Pav,

"Copacabana está fria
e o horizonte distante..."

Há versos que sustentam o poema. São o ponto de partida, de chegada...

Belo poema!

Marcos disse...

Poesia-luau... uauuu rsrsrs muito bom Dri.

Postar um comentário