aspectos secretos de um ritual



me despe às cegas horas
do dia
e o vidro do relógio
arranha tanto quanto
me acariciam as tardes
de oásis

nunca inteiro quase se
faz felino e me acaricia
tanto quanto arranha
a minha vida

e despede-se às claras horas
do dia

6 comentários:

Mirze Albuquerque disse...

Um poema que é jóia!

"nunca inteiro quase se
faz felino e me acaricia "

Beijos, grande poetisa!

Mirze

Adrianna Coelho disse...


poema de "quases", Mirze, de penumbras
e segredos.

beijos!

Lisa Alves disse...

Di urna! Tua poesia é fantástica!

Tania regina Contreiras disse...

Tardes de oásis são carícias? Nossa, adorando te ler...
Beijos,

Lianeide Mayara disse...

Encantada...

Aroeira disse...

Você tem cada uma... cada uma melhor que a outra!

Postar um comentário