sizígia



o céu insiste
nessas cores de maçã
mordida
depois me anoitece
e me despe das luas
em três de minhas
fases


do meu olhar tardio
cheias e vazantes
se derramam
como preces



27 comentários:

Marcelo Novaes disse...

Dri,




Poema de sutilezas e extrema musicalidade.








Beijos,







Marcelo.

Úrsula Avner disse...

lindo poema lírico Adriana, um mimo mesmo ! Bj.

Cris Caetano disse...

Lindo! :)

Beijinhos

Mariana Botelho disse...

Querida, que lindo poema!

e que saudades que eu tava docê!

Ígor Andrade disse...

Bonito poema!

José Carlos Brandão disse...

Imagens delicadas, musicalidade delicada,

Adriana toda delicadeza.

Poema gostoso de se ler: intimidade e prece.

Um beijo.

Nathi disse...

O-que-relamente-seria-cor-de-maçã-mordida-?

Fiquei-sonhando-com-céu-assim..

Wilson Torres Nanini disse...

do meu olhar tardio
cheias e vazantes
se derramam
como preces


Que maravilha!

betina moraes disse...

querida,

(estou com vírus no pc... vou ver se hoje dou jeito com meu super técnico! bem, o super fica por conta da minha fé imensa no poder dos técnicos rss)



de um pc alheio
li seu verso,

eu sei bem o que é uma maré de sizígia, seus efeitos na água e em nós, morei na frente do mar durante os últimos quatro anos e é um fenômeno ímpar! sol e lua se sustentando na força um do outro, levando o mar até as mais altas marés e as mais dramáticas vazantes. é um momento de extremos, onde não há meio termo, é tudo cheio ou tudo vazio... "cheias e vazantes de derramam como preces"

muito bonito.

um beijo!

betina moraes disse...

obs: "se derramam com preces"

betina moraes disse...

acho que eu também estou doente.. rss

errar duas vezes é coisa de vírus sério!

"se derramam como preces"

será que agora foi?

Mirse Maria disse...

Belíssimo Dri!

Mar em intempéries, fruto, a mulher, as cores, com uma musicalidade que acaba em prece. Tina e precisdava ser.

Aplausos!

Beijos

Mirse

BAR DO BARDO disse...

não sei muito de mar> mas sei das transmutações> dos movimentos> das marés na alma> se é sobre isso>>>

syzygie

Fabio Rocha disse...

Adorei as cores. Beijos

Fred Matos disse...

Belo poema, Adrianna.
Beijos

Bufo disse...

Orgulho sempre que te leio.

Adair Carvalhais Júnior disse...

saudades, Adriana.

um belo poema.

Nirton Venancio disse...

Tenho comentado pouco ao passar por aqui... pego os teus poemas e vou me embora com eles... nem te falo nada. Aposso-me deles para seguir ou dia ou anoitecer.
Mas hoje te aviso que estou levando essas vazantes que se derramaram em mim...

Renata de Aragão Lopes disse...

O céu em cores
de maçã mordida,
que te despe,
depois, das luas
em três fases.

Que construção belíssima
- a culminar, enfim,
com um olhar em prece...

MARAVILHOSO, Adrianna!

E eu,
que tanto gosto
de astrologia,
não conhecia
o vocábulo "sizígia"!
Lição aprendida.

Um beijo pra você.

Moacy Cirne disse...

Oi,
continuo em Natal,
com uma inesperada bronquite
(sob controle).
Você está no Balaio de hoje.
Ah, sim, gostei desse seu poema.
Um beijo.

J.F. de Souza disse...

Dri! Lindo isso aqui!

Tava com saudade de vc e dos teus escritos... Então, decidi te visitar! =)

=*

Vagarosa disse...

lindo.



beijos

Tatiane Trajano disse...

Lirismo bonito de se ler!

Pseudo-anônima disse...

gostei do seu espaço, passei a acompanhar. :D

Nathi disse...

Meu blog gostou do seu blog..

Meu blog tem um selo pra senhorita dona deste blog, e a senhorita do outro manda dizer que você merece!!

^^

laerth motta disse...

sinto aqui que o sol
estendeu-se
em uma esteira de palha

que belo momento
beijo
saudades

Gregorio Omar Vainberg disse...

do meu olhar tardío
à tua quarta fase
o céu insiste.

muito bom. o teu poema.

um abraço

Postar um comentário