transgressões

Para Rubens Pesenti


eu sei que você conhece as regras
e o lado do avesso da camisa
que estampa palavras no peito
eu sei que você sabe
que tudo que fizemos foi pouco
enquanto você já estava muito além
dessa liberdade que nos aprisiona
eu sei que você ri do nosso riso
e que você tem a cara lavada
para falar de tabus e de esfinges
eu sei que você matou o crime
os reis, os bispos, os cavalos
destruiu a fortaleza das torres
e comeu todas as damas
e ainda confessou as nossas vidas
estranguladas
por essas inúteis esperanças
e sei que nas horas vagas
você tem o uivo de um animal
bioquímico
e que por isso mesmo
tem essa capacidade absurda
de amar
e eu sei disso tudo
às segundas-feiras
quando acordo dos meus sonhos
e você, meu amigo
me captura en passant



17 comentários:

Rodrigo M. Freire disse...

Eu vim lendo e achando mesmo a cara do rubens esse poema.. concordei em muita coisa da impressão que tenho dele. Ele é mesmo um vagabundo velho! rsrs. (fica rindo da nossa cara). Talvez que ele more mais perto de uma razão que o mundo não tem e que se inventou somente em ciências: física, matemática... Ele mora em saber que isso já não tem lá muita importância e como é um cara que não levanta hipótese de parar de comer carne, pav, tende a rir mais de vc que de mim. Mas eu também o vi em gargalhadas nessas imagens, sobretudo em relação a pav ele ri demais na minha cabeça, pois que ela nem existe, mas trata-se dum mantra cantado no jardim da adolescência...
Ora, ora, ora...

Cosmunicando disse...

rsrsrs... estou aqui rindo do comentário do Rodrigo, que não perde a chance! figura...

O Rubens, esse uivo que acorda, discorda e perturba, você descreveu como ninguém.

beijos Pav!

Paulo de Carvalho disse...

"as regras"

e atento aos movimentos para o momento preciso en passant.

Pavitra disse...

"Ele mora em saber que isso já não tem lá muita importância e como é um cara que não levanta hipótese de parar de comer carne, pav, tende a rir mais de vc que de mim. Mas eu também o vi em gargalhadas nessas imagens, sobretudo em relação a pav ele ri demais na minha cabeça, pois que ela nem existe, mas trata-se dum mantra cantado no jardim da adolescência...
Ora, ora, ora..."


a primeira parte do seu comentário-provocação deixo para o rubens... ahahahaa

a segunda, que diz respeito a mim... bem... eu não como carne mesmo!
por que diabos ele riria disso? ahahaa

que eu nem exista, tbm concordo...
mas nunca entendi esse lance de mantra cantado no jardim da adolescência...
dá pra explicar ou é muito metafísico pra vc? rs

vou esperar!

Pavitra disse...

pad, esses dois são nossos adoráveis amigos do contra, não são? ahahahaa

beijos!!

Pavitra disse...

"e atento aos movimentos para o momento preciso en passant."


e para os momentos imprecisos
en passant ele nos atenta
e quebra todas as regras... rs


Paulo de Carvalho disse...

Para o en passant, é preciso que a peça avance duas casa e situe-se ao lado da que terá a vantagem do lance...

"piece touche piece joue". Esta regra diz que quando se toca numa peça esta tem de ser jogada.

Luiz Carlos disse...

XEQUE MATE.

Pavitra disse...

ainda bem que quem cai é o rei... ahahahaa

Luiz Carlos disse...

já cai matando....

Luiz Carlos disse...

"se toca numa peça esta tem de ser jogada."

ajoelhou, tem que rezar... bispo branco avança casa três da dama de preto...

Paulo de Carvalho disse...

No filme História de O, foi quando pela primeira vez assisti a uma partida de xadrez, entre um homem e uma mulher, sem peças.

E o tabuleiro estava posto...

Pavitra disse...

luiz, ela já está assim tão descoberta?
em que momento estamos dessa partida? rs

Pavitra disse...

paulo, eu já perdi algumas partidas bem interessantes... rs

Cristina Guedes disse...

belo poema. Rubens é boa pessoa, até aí já sabia, mas faz isso tudo?comeu todas as damas? matou todos os reis? animal bioquimico? e uiva?
Sem brincadeira, um belo poema de amigo

Pavitra disse...

lendo atentamente o site dele foi isso que descobri... risos

beijos, nina!

Rodrigo M. Freire disse...

"que eu nem exista, tbm concordo...
mas nunca entendi esse lance de mantra cantado no jardim da adolescência...
dá pra explicar ou é muito metafísico pra vc? rs"


vc é o mantra cantado no jardim da adolescência, então quando faz uma poesia ensimesmada termina por falar o que é ou, pelo menos, sobre o mantra no jardim da adolescência.

Perdoe-me!, não sustento a ilusão de que posso defenir as coisas neste instante.

Mas dizer que vc é uma oração poética religiosa hinduísta feita no florescer da idade pré-adulta não era exatamente a definição esperada e satisfatória, acredito.

Talvez entendê-la como coisa que soa, que flui com os ares do mundo, que permite-se a mensagem na atmosfera, que é voz.... seja uma concepção interessante; um pouco, vai!

fuuuuu! (sopro)

Postar um comentário